CHESS TATOO

CHESS TATOO

CASSIÃO CAMPEÃO DO VALEU PROFESSOR 2011 !!!

11/10/2011


Cassius e Derli são os campeões de xadrez do Valeu Professor 2011

Cassius Alexandre Silva e Derli Francelli foram os campeões do Torneio de Xadrez Valeu Professor 2011 realizado na Estação da Luz no domingo, 9 de outubro. No masculino Cassius, que é professor e árbitro de xadrez e reside em São Bernardo do Campo, obteve 5,5 pontos e terminou invicto com 5 vitórias e um empate. Jogou muito concentrado e mereceu a conquista. No feminino, Derli, professora, que mora em Mauá, e há muitos anos defende a cidade de Santo André em competições estaduais, terminou com 4 pontos, fruto de 4 vitórias e duas derrotas, mas igualmente atuou com muita determinação para chegar ao título. Este foi o segundo ano do torneio de xadrez que é mais uma atração do Valeu Professor, evento organizado pela Prefeitura de São Paulo, que homenageia os professores no seu mês e que tem na programação vários eventos culturais, recreativos e esportivos. A direção da competição, que teve 55 participantes, professores de escolas públicas e particulares e de universidades,  foi do Prof. Egnon Viana e da Prof. Sandra Regina Rodrigues, que são os coordenadores do Programa Xadrez Movimento Educativo que reune nas 13 Diretorias Regionais de Educação mais de 40 mil alunos que praticam o esporte-ciência nas escolas da maior cidade brasileira. O evento de xadrez atraiu a atenção do público, pois aconteceu no hall da belíssima Estação da Luz e na programação a organização levou a tecladista Clarinda Sousa que antes do início e ao final da disputa tocou belíssimas composições e isto abrilhantou ainda mais a competição, reforçando o que já disse o músico e enxadrista de alguns séculos atrás, François Andre Danican Philidor:  ”o xadrez, como o amor e como a música, tem o poder de fazer os homens felizes”. Acompanhe a seguir a classificação final e a tabela do torneio e veja fotos do evento.

Valeu, Professor 2011 – Torneio de Xadrez para Professores

Arbitragem – Estevão Tavares Neto, Eduardo Passos Pereira, Albano Agostinho e Filipe Tavares

Classificação Final

Col  Nome                        Pts      MFPX  MTot   EAcum

  1   Cassius Al. Silva,          5.5      18.5  21.5   20.5
  2   Felipe de Oliveira,         5        22.5  26.5   19.0
  3   Paulo Giovanni A Nicolini,  5        20.0  22.0   19.0
  4   Edmundo Aoyama,             5        19.0  21.0   15.0
  5   Milson Theodoro,            5        18.5  20.5   18.0
  6   Ricardo M. de Almeida,      4.5      21.5  23.0   16.5
  7   Fernando Luiz de Souza Jr,  4        21.5  24.5   14.0
  8   Derli Francelli,            4        21.0  24.0   17.0
  9   Ricardo Lisias A. Fermino,  4        20.0  23.0   17.0
 10   Andre Vicente dos Santos,   4        19.0  22.0   16.0
 11   Waldomiro Dias M. Junior,   4        18.5  20.5   14.0
 12   Jose Antonio dos Santos,    4        18.0  21.0   13.0
 13   Alexandre F. Presciliano,   4        18.0  19.5   13.0
 14   Rafael Mendonça Cassani,    4        18.0  19.0   15.0
 15   Paulo F. S. Ferreira,       4        17.5  18.5   16.0
 16   Simanis Imants Novickis,    4        17.0  19.0   14.0
 17   Erich Garcia Toledo,        4        16.5  18.5   12.0
 18   Rafael Soares dos Santos,   4        16.0  18.0   14.0
 19   Maria Rute de A. Luz,       4        16.0  16.5   13.0
 20   Tadeu Marques Ferreira,     4        14.5  15.5   13.0
 21   Renie Robim,                3.5      15.5  17.0   12.5
 22   Fernando H. Severo Silva,   3        20.0  23.0   15.0
 23   Marcos Renato Cezar,        3        19.5  21.5   13.0
 24   Eugênio Mendes dos Santos,  3        18.0  19.5   11.0
 25   Kivam Arruda Izidoro,       3        18.0  19.5    9.0
 26   Edvaldo Alves da Silva,     3        18.0  18.5   11.0
 27   Antonio Courel Filho,       3        17.5  19.5   12.0
 28   Mario Moraes Junior,        3        17.5  19.0   10.0
 29   Marcos Ahlers Nascimento,   3        17.0  18.0   10.0
 30   Fatima A. A. Pastorelli,    3        16.5  16.5    9.0
 31   João Paulo G. de Paula,     3        15.0  16.5   10.0
 32   Jones Barboza Lima,         3        14.5  15.5    9.0
 33   Sérgio Henrique Santos,     3        14.5  14.5   11.0
 34   Leandro M. de Souza,        3        14.0  15.0    9.0
 35   Mauro Mai,                  3        14.0  14.0    9.0
 36   Mario Duarte,               3        13.0  14.5    9.0
 37   Andre de Oliveira Torres,   2.5      19.5  21.5   12.5
 38   Valmir Fernandes da Silva,  2.5      14.0  15.5    6.5
 39   Firmino Pereira,            2        17.0  18.0    7.0
 40   Claudio Xavier da Silva,    2        16.5  18.5    7.0
 41   Rafael Fernandes Soares,    2        16.0  17.5    9.0
 42   Eloy Coelho de Freitas,     2        16.0  17.5    8.0
 43   Fernanda Julia Bertagnoli,  2        15.0  15.5    4.0
 44   Michele Fuin Stefanoni,     2        14.5  16.5    8.0
 45   Heitor R. de Figueiredo,    2        14.0  15.0    3.0
 46   Geraldo Miura,              2        14.0  14.0    6.0
      Zenalia Santos,             2        14.0  14.0    6.0
 48   Edson Francisco Aguiar,     2        13.0  14.5    5.0
 49   Davi Matheus dos Santos,    2        13.0  13.5    7.0
 50   Daniel Cardoso Loureço,     1.5      14.5  15.0    4.5
 51   Aparecido C. Pereira,       1        16.0  17.5    4.0
 52   Ricardo de O. Queiróz,      1        14.0  15.5    6.0
 53   Maria Isabel H. Macedo,     1        14.0  15.5    3.0
 54   Darialva da G. Linge,       1        12.5  12.5    2.0
 55   Alexandro Belchior Correa,  0        12.5  13.5    0.0


'Super-Humanos': Magnus Carlsen, o gênio que trocou o futebol pelo xadrez

10/10/2011



Fã de Ronaldo e Roberto Carlos e torcedor do Real Madrid, norueguês foi um dos mais jovens a receber o título de Grande Mestre do esporte, aos 13 anos
Por GLOBOESPORTE.COM
Monaco, França




Quem olha para Magnus Carlsen pode achar que ele é apenas mais um jovem de 20 anos normal. O norueguês, desde pequeno, sempre gostou de futebol, torce pelo Real Madrid e é fã dos brasileiros Ronaldo e Roberto Carlos. No entanto, o rosto de criança esconde o maior prodígio da história do xadrez. Aos 13 anos, venceu os maiores jogadores do mundo e se tornou um dos atletas mais jovens a receber o título de Grande Mestre, a mais alta qualificação do xadrez. E no ano passado, aos 19, virou o líder do ranking mundial, tornando-se o mais rápido a alcançar esse posto.
'Super-Humanos' #1: o britânico que aguenta nadar em águas congelantes
- Eu sigo futebol na TV o tempo todo, especialmente os campeonatos da Espanha e da Inglaterra. Sou torcedor do Real Madrid, muito fã do Ronaldo e do Roberto Carlos. Acho que até teria sido um bom jogador, mas acho que estou bem no xadrez. Está valendo a pena, porque estou criando umas coisas legais - disse Carlsen.
O jogo de xadrez simula um conflito entre dois exércitos: 16 peças para cada oponente que se movimentam em um tabuleiro com 64 casas. Milhões e milhões de possibilidades e posições, tudo isso viajando na mente humana em uma velocidade incrível. Carlsen usa o cérebro de uma forma única, especial, que pode revolucionar tudo o que sabemos sobre o raciocínio e o pensamento. Mas você pode esquecer aquela imagem estereotipada de um nerd atrás de um computador. O norueguês virou celebridade, garoto-propaganda de uma multinacional de roupas, viaja o mundo, passeia com atrizes de Hollywood e conquista milhares de seguidores nas mídias sociais.
'Super-Humanos' #2: aos 92 anos, vovó Olga é um fenômeno do atletismo
Magnus Carlsen faz parte de uma geração que cresceu desde cedo com uma companhia especial: os computadores. Para conhecer mais da história desse prodígio e da sua família, o Esporte Espetacular foi até Monaco, no Sul da França, acompanhar um torneio de xadrez entre os melhores do planeta. Segundo o pai, Henrik Carlsen, o filho mostrava habilidades especiais já na infância.
- Magnus tinha algumas habilidades que nos chamavam a atenção. Ele conseguia montar quebra-cabeças de 50 peças antes dos 2 anos. Com 4 ou 5, montava coisas fabulosas com Lego. Ele tinha uma habilidade incrível de concentração, de ficar focado em alguns tópicos por bastante tempo.

Aos 20 anos, Magnus Carlsen em entrevista ao repórter Guilherme Roseguini (Foto: TV Globo)
Henrik adorava xadrez, então, pegou um tabuleiro e tentou ensinar Magnus. Mas, aos 6 anos, o garoto não quis nem saber daquele jogo parado, gostava mesmo era de jogar bola todos os dias. Vendo que iria perder a briga, o pai não forçou a barra na ocasião. E foi por volta dos 9 anos que Magnus começou, espontaneamente, a jogar xadrez... no computador, nada de tabuleiro. E o pai apoiou:
- O computador é uma grande ferramenta para o aprendizado. Ele usava o computador para várias outras coisas, e se sentiu confortável naquele ambiente. Os programas para jogar xadrez começaram a aparecer nos anos 90, justamente na geração dele - lembrou Henrik.
Jogar partidas com gente do mundo todo, desafiar amigos e estudar lances. Esses foram alguns dos atrativos que chamaram a atenção de Magnus para jogar xadrez pelo computador. Na época, o menino só queria aprender o jogo para vencer as grandes rivais: suas irmãs mais velhas.
- Entre os 9 e os 10 anos, ele começou a passar várias horas do dia jogando e estudando xadrez. Mas não como uma obrigação, nunca pedimos nada. Era um hobby. Ele tinha essa vontade. Primeiro, queria ganhar das irmãs. Depois começou a estudar para me derrotar. E asssim foi - contou Henrik.
- Eu nunca tive mesmo um jeito científico de estudar xadrez. Eu simplesmente seguia minha curiosidade, minhas ideias. Acho que isso foi muito importante - revelou Magnus.
Eu acho que tenho um 'felling' natural para o jogo. Tenho um estilo universal, disposto a correr risco. Não sigo muito os padrões. Se me dão uma ideia de tentar algo novo, eu estudo um pouco e vou em frente. Gosto de mudar de territórios a todo momento no xadrez."
Magnus Carlsen
O processo de formação utilizado pelo menino norueguês era bem diferente dos adotados pelos grandes jogadores do passado. Um dos Grandes Mestres de xadrez, o brasileiro Gilberto Milos tenta explicar as mudanças com o tempo.
- Enquanto nós nos espelhávamos nos melhroes jogadores do mundo, como Boby Fischer, e analisávamos as partidas dele, ele se espelha no melhor jogador de hoje, que é o computador, devido à capacidade de cálculo. O computador é melhor porque calcula mais, então ele desenvolve mais esse lado e de alguma forma chega próximo da capacidade de cálculo do computador. Não é igual, mas ele tira uma vantagem disso.
- No computador, você consegue informações muito rápido. O que significa que você consegue absorver conhecimento muito mais rápido do que no passado. Hoje, podemos aprender coisas em cinco anos que no passado levariam 20 - decretou Milos.
Basicamente, Magnus Carlsen começou aos poucos a pensar como um computador. Por conta da sua formação, ele desenvolveu uma habilidade espetacular de calcular e memorizar. Magnus guarda na cabeça cerca de 500 mil jogadas (meio milhão de possibilidades).
- Quando você treina com o computador, contra um adversário que realmente te coloca problema de cálculos muito complexos, você certamente é mais exigido e desenvolve mais. Não sei exatamente como é esse processo, mas basicamente é isso. Você treina com alguém muito melhor do que você e a tendência é se aproximar disso. E como o computador é muito melhor no quesito cálculo, a tendência é que você melhore seu cálculo. Ele é mais exigido que as gerações anteriores, então o resultado é superior - explicou Gilberto Milos.
O trunfo de Magnus Carlsen é conseguir calcular mais rápido e, com isso, ele imagina como estará o tabuleiro de xadrez 20 lances à frente das pessoas comuns. Fica mais fácil prever as ações dos rivais e escolher a jogada certa. É o que conta o especialista no esporte Dirk Geuzendam.
- Você olha para o tabuleiro em um jogo dele e diz: não existe saída, está acabado. E aí, logo depois, Magnus escapa, com algo que ninguém havia pensado. Parece simples, mas é incrivelmente difícil fazer isso em um jogo de xadrez. Poucas pessoas têm esse talento: escolher precisamernte a jogada certa e fazer o que ninguém havia imaginado. É o que o Magnus faz.
Com essa habilidade toda, aos 13 anos Magnus já estava disputando torneios internacionais. Ele enfrentou e venceu, para a surpresa de todos, Anatoly Karpov, o melhor jogador do mundo por dez anos. O próximo desafio foi encarar aquele que é considerado até hoje o melhor de todos os tempos: Garry Kasparov, campeão mundial aos 22 anos e dono das mais altas pontuações internacionais do xadrez. Magnus conseguiu um empate contra o gênio do esporte, e parece que assustou o russo.
- Depois desse jogo o Kasparov foi embora correndo, nervosíssimo. Mas depois mandou um de seus livros autografados para a nossa casa e disse que podia dar umas aulas, uns conselhos a Magnus. Ele não se interessou muito no começo, mas tempos depois se deu conta que Kasparov sabia muito, muito mesmo. E que poderia ajudá-lo - disse Henrik Carlsen.
Imagine isso: o melhor jogador de hoje com aquele que foi talvez o melhor da história. É a combinação dos sonhos."
Dirk Geuzendam
A partir dali, Magnus ganhava um grande tutor, o que faltava para o menino deslanchar de vez. O russo adorava computadores e sabia utilizá-los para analisar jogos e melhorar a performance. E foi isso que Kasparov ensinou a Magnus, a usar melhor a máquina. O menino foi lapidado até chegar ao posto de número 1 do ranking da federação internacional.
- Depois de um tempo, aprendi a usar mais os computadores para me prepaparar para enfrentar meus oponentes, porque existe muita base de dados sobre os jogos. E também para analisar meu próprio jogo para analisar meus erros - contou Magnus.
A questão central que os cientistas tentam entender é como Magnus consegue raciocinar tão rápido? Algumas pistas já surgiram. A teoria é: quando um jogador comum pensa para fazer um lance no xadrez, ele usa apenas o lado esquerdo do cérebro. Já Magnus e outros grandes jogadores conseguem trabalhar os dois lados, usando assim o dobro da capacidade de raciocínio e memória. Por isso é possível calcular e memorizar tanto.
O prodígio Magnus Carlsen voltou a chamar a atenção do mundo para o xadrez. Nos anos 80, por conta da Guerra Fria, o que acontecia no tabuleiro era questão de Estado. EUA x URSS ou Bobby Fischer x Boris Spassky. Norte-americano e soviético chegaram a decidir um título mundial como se fosse final de Copa do Mundo de futebol. Nos anos 90, Homem x Máquina. Garry Kasparov também ganhou os holofotes quando desafiou computadores. Depois dele, o interesse pelo jogo caiu, até Magnus Carlsen.
- Todo grande jogador traz algo novo ao jogo, mas Magnus é especial. Ele parece agregar todo o conhecimento técnico dos campeões do passado, e consegue impor sua juventude e novas ideias para explorar novas posições, novos caminhos. Ele é um desbravador, e o xadrez precisa de desbravadores - finalizou Dirk Geuzendam.

Grand Slam dia livre: Fier vence o SP Master Series

02/10/2011


Grand Slam dia livre:


Fier vence o SP Master Series

Integrantes do Red Hot quebram a cabeça.
Foto: WhyChess
Integrantes do Red Hot quebram a cabeça.
Um flagra interessante: Magnus Carlsen, durante sua passagem pelo Rio de Janeiro antes do Grand Slam, enfrentou os integrantes da Banda Red Hot Chilli Peppers.

SP Masters R1: Stamenkovic-Fier.
Fier venceu Dragan Stamenkovic na primeira rodada.
A etapa, disputada em pleno cubo de vidro onde os melhores jogadores do mundo estão disputando o Grand Slam, teve a vitória do Grande Mestre Alexandr Fier, que por muitos anos morou no estado do Paraná.

O torneio, disputado entre oito jogadores no formato mata-mata, contou com a participação de quatro Grandes Mestres. Fier teve que superar, respectivamente, o MI Stamenkovic, o GM Vescovi e o GM Cubas, que ficou em segundo lugar.
SP Masters Final: Fier-Cubas.
Na Final, Fier venceu o paraguaio José Cubas.









SP Master Series - etapa Grand Slam:
1o GM Alexandr Fier
2o GM Jose Cubas
3o GM Gilberto Milos Jr.

Enxadrista ucraniano vence e dispara em caixa de vidro em SP


Enxadrista ucraniano vence e dispara em caixa de vidro em SP

PUBLICIDADE
CAROLINA ARAÚJO
DE SÃO PAULO
O ucraniano Vassily Ivanchuk, 42, sétimo colocado no ranking da Fide (Federação Internacional de Xadrez), venceu nesta sexta-feira o armênio Levon Aronian, 28, terceiro do mundo, e disparou na liderança do Grand Slam, campeonato de xadrez que está sendo jogado em uma caixa de vidro no parque Ibirapuera.
"Foi uma partida muito perigosa, mas, por sorte, meu adversário cometeu um grande erro", disse Ivanchuk sobre o duelo. No 32º lance, quando o ucraniano tinha melhor posição, mas enfrentava problemas com seu tempo, Aronian fez uma jogada equivocada que definiu o resultado da partida.
Moacyr Lopes Junior - 25.set.2011/Folhapress
O enxadrista Vassily Ivanchuk no parque Ibirapuera
Vassily Ivanchuk no parque Ibirapuera
Com o triunfo desta sexta-feira, Ivanchuk conquistou sua terceira vitória seguida, a segunda jogando com as peças pretas --já havia derrotado Viswanathan Anand, 41, atual campeão mundial, e Francisco Vallejo, 29, que ocupa a 28ª colocação do ranking. O ucraniano já não pode ser alcançado por seus rivais na etapa em São Paulo --de 5 a 11 de outubro, em Bilbao, na Espanha, será jogada a segunda metade do torneio, também em uma caixa de vidro.
Já Aronian, com o revés, sofreu sua primeira derrota no Grand Slam, mas continua como vice-líder, com cinco pontos. Compartilha a segunda colocação com Anand, que, nesta sexta-feira, venceu Vallejo de pretas.
No outro confronto do dia, o número um do mundo, o norueguês Magnus Carlsen, 20, empatou com o americano Hikaru Nakamura, 23, 12º do ranking. Nakamura tem quatro pontos. Já Carlsen é, junto com Vallejo, o lanterna do torneio, com três pontos.
Neste sábado, acontece, às 15h, a última rodada do Grand Slam em São Paulo. Os confrontos serão Ivanchuk x Carlsen, Anand x Aronian e Nakamura x Vallejo. As partidas serão transmitidas ao vivo emwww.grandslamdexadrez.com.br.